A Física dos Fouettés

Física? isso mesmo, hoje tem aula de F-Í-S-I-C-A!

Oi, gente!

Achei essa matéria muito legal, quem me mandou foi nossa amiga bailarina e nutri Fabiana Cusin. Tentei fazer uma “versão” mais clara para quem não entende muito bem inglês e/ou os termos técnicos do ballet, mas pra quem quiser a versão original vou colocar o link lá embaixo!

Vamos lá!

Fouettés são misteriosos. Quando eles (os bailarinos) estão “dentro”, na execução, é criada uma relação praticamente transcendental entre a gravidade e o alinhamento, fazendo com que tudo pareça sem esforço. Mas quando eles estão vendo por fora, se sentem longe. Podem sentir como se não soubessem ao menos como levantar uma perna, muito menos como girar.

Há milhões de diferentes aspectos para manter a técnica em mente e ainda mais formas de se visualizar uma sequência fouetté bem sucedida.

Mas quando foi a última vez que você considerou a ciência por trás do passo?

Esse TEDx entra no âmago da questão da força e do momento angular do giro (eles usam também a palavra torção, que faz muito sentido), explicando como seus pliés, pernas e braços devem trabalhar juntos para sustentar os giros. Claro, o narrador dá uma pronúncia digna de arrepios (me desespero em física desde sempre!) para o fouetté, mas a explicação é clara em relação ao momento angular, que pode ser apenas o que você precisa saber para impulsionar para esse triplo.

Confira abaixo!

Espero que vocês tenham gostado!

Curtam e compartilhem!

Bjs!

Para versão original da matéria, clique AQUI.

From: Pointe Magazine

Deixe uma resposta