Iliopsoas/quadril- Fisioterapia – Parte 1 – Conceitos

Olá Pessoal, tudo bem?

Conforme prometido, vou contar para vocês todos os detalhes sobre o que eu tive no quadril, uma tendinopatia do iliopsoas, que me gerou bastante dor e limitação nos movimentos de adágio e rotação de quadril.

Quem nos acompanha nas redes sociais, viu que estive fazendo um período de fisioterapia com trabalho bem voltado para o ballet, focado no fortalecimento dos músculos específicos que trabalhamos, etc.

Fui beeem abençoada com um fisioterapeuta ESPECIALIZADO em ballet, que me ajudou e continua me ajudando absurdamente! O nome dele é Athilas Braga, curtam a página dele e entrem em contato via Facebook ou Instagram também!

Então vou contar para vocês em 3 etapas!

Neste primeiro post vou falar sobre o tendão iliopsoas, o que é e como ele geralmente se “machuca” ou se “excede” em esforço e porquê isso acontece.

Vamos lá!

QUEM É O ILIOPSOAS?

É um músculo que se origina da junção do músculo psoas, que tem origem na lombar, com o músculo ilíaco, que está na pelve.

Ou seja, tecnicamente, “o músculo psoas tem origem na coluna lombar e se conecta ao músculo ilíaco na pelve, formando o músculo iliopsoas que se estende até a parte anterior da coxa¹.”

Esse músculo é ligado ao osso por um tendão, como todos os outros rs. E a inflamação desse tendão é o que eu tive/tenho! Uma tendinite ou tendinopatia do músculo iliopsoas, que afeta a circulação do quadril anterior. (Circulação no sentido de movimento mesmo, não no sentido sanguíneo, só para esclarecer.)

Olha ele aqui:

COMO DESCOBRIR?

Dor. Acho que esse é um sinal importante do nosso corpo. Aprendi uma coisa legal com meu fisioterapeuta, pois nós que vivemos no ballet sentimos muitas dores sempre! Mas na verdade a DOR é diferente do INCÔMODO. A dor, de fato, é aquela que nos impede de fazer algo. Enquanto o incômodo é aquele que vamos vivemos com ele, rs.

Não houve um momento em que eu senti como se tivesse lesionado. Simplesmente a dor começou a chegar aos poucos, foi aumentando, foi atrapalhando os adágios, developpés, dai veio dor no passé, no aquecimento, dor para cruzar a perna… Daí que começou a doer até para entrar no carro! Isso em um período de um mês, mais ou menos.

O diagnóstico foi realizado de forma bem simples, fui em um amigo ortopedista e só de dizer os sintomas ele já desconfiou. Fez uns testes bem básicos (uns apertos no tendão que eu fui no céu e voltei), alguns movimentos checando o quadril e de cara já pediu raio X e ressonância, ao mesmo tempo me encaminhando para o fisioterapeuta.

Exames feitos, lá estava o diagnóstico certeiro!

Quando o diagnóstico chegou eu já estava com o Fisioterapeuta, o Athilas. Já tinha feito a avaliação com ele que, de cara, já sabia o que eu tinha.

Em tese é uma coisa comum para bailarinos, sejam profissionais ou amadores como eu. Como faço aulas de ballet todos os dias, pelo menos 1h30min (alguns dias faço 3h, com intervalo de 1h entre as aulas), acabou sobrecarregando o tendão, que estava sendo puxado de forma errada, pois minha musculatura de abdome e glúteo não estava suficientemente fortalecida para compensá-lo.

Basicamente é isso que acontece, ficamos com a musculatura “desbalanceada”, trabalhamos muito alguns músculos e pouco os outros, e tudo é importante! Ter uma barriga magrinha não é sinônimo de um abdome forte, da mesma forma que ter um bumbum bonitinho, com pouca celulite, não significa ter uma boa musculatura de glúteo, ou pelo menos não é suficiente para evitar que os músculos e tendões não se sobrecarreguem.

Em suma, essa é a parte conceitual do meu machucado! No próximo post falaremos sobre como evitar esse tipo de inflamação ou tensão no tendão e alguns exercícios que deveriam ser feitos de forma PREVENTIVA por todas as pessoas que fazem ballet, isso evitaria muitos machucados!

Fiquem ligados aqui! Virão exercícios super legais para fortalecimento de glúteo e abdome, que servem bem para a vida toda, hein? Quem não quer ter um abdome sarado? hahaha

 

Quem tiver dúvidas e comentários, manda pra gente! Logo o Athilas vai responder tudo em um vídeo que faremos no nosso canal!

 

Beijos!

Laura

2 Comment

  1. Oi, querida! Que post incrível eu e uma amiga vivemos com a mesma dorzinha. Existe um exercício que fiz junto do osteopata que fortalece o próprio psoas. Muito interessante!

  2. Jakeline Pinheiro says: Responder

    Adorei ler o seu post, estou com uma lesão bem parecida, mas no meu caso as bursas trocantéricas estão inflamadas, no meu caso por muito esforço também, vida de bailarina rs. Estou amando acompanhar teus posts, um beijo.

Deixe uma resposta