O QUEBRA NOZES – THE NUTCRACKER

Oi pessoal, tudo bem com vocês?

Quem nos acompanha há algum tempo sabe que todo ano ficamos pertinho dos ensaios e da produção do ballet O Quebra Nozes, apresentado pela Cisne Negro Cia de Dança, em São Paulo.

Neste ano, como nos mudamos para João Pessoa (após 8 anos em São Paulo), não consegui acompanhar de perto. Mas não é por isso que vamos ficar sem “O Quebra”, não é?

Vamos falar tudo sobre esse ballet super tradicional, e se restarem dúvidas, mandem pra gente!

Tudo sobre O Quebra Nozes – The Nutcracker – O espetáculo de Ballet MAIS AMADO DO NATAL!

O Quebra-Nozes é um dos Ballets que Tchaikovsky compôs (foram 3, oficialmente). Estreou em 18 de dezembro de 1892, no Teatro Mariinsky, em St. Petersburg, capital da Rússia . Baseia-se na versão de Alexandre Dumas, pai de um conto infantil de E. T. A. HoffmannO Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos/Ratos. Devido à sua temática, é tradicionalmente encenado na época do Natal.

Hoje, a maioria das grandes companhias de Ballet encerram o ano com esse ballet que é um GRANDE SHOW. Aqui no Brasil já vi algumas vezes seguidas O Quebra Nozes tradicional de São Paulo, apresentado pela Cisne Negro Cia de Dança, há 33 anos (neste ano será o 34º ano de Quebra-Nozes!). É um espetáculo imperdível, pelo menos uma vez na vida. A produção é linda demais, com direito a neve no palco. O Royal Ballet, o Ballet de Kirov, o Bolshoi e outras grandes Cias também apresentam anualmente este tradicional espetáculo.

O ballet conta a história mágica e romântica de Clara e seu boneco, O Quebra-Nozes, que foi presente de seu tio/padrinho, o mago Drosselmeyer, na festa de Natal de sua família. A festa é linda e contagiante, o tio Drosselmeyer enche as crianças de brinquedos mágicos, incluindo bonecos harlequins que ganham vida, coelhinhos de verdade e ratos gigantes. Após presentear todas as crianças, ele traz uma caixa especial para Clara com O Quebra-Nozes.

A menina adora o que ganhou e brinca com o boneco, tentando fugir de seu irmão Fritz que, enciumado, quer tomá-lo a todo custo. Em certo momento, o irmão de Clara pega o boneco da mão dela e acaba quebrando-o. Diante das reclamações da pobre Clara, seu pai, o Sr. Stahlbaun, entrega à filha o seu quebra-nozes como propriedade exclusiva, tendo Fritz que sair para brincar com os seus brinquedos.

Logo em seguida, Clara pega o boneco do chão e o consola, abraçando-o até que ele durma, e ela mesma também acaba dormindo.

Clara, então, sonha que volta ao esconderijo onde havia colocado o seu quebra-nozes, mas encontra o salão cheio de ratos gigantes. Sua casa desapareceu e no lugar onde ficavam os móveis ela encontra árvores gigantescas.

De repente, o Quebra-Nozes de Clara é um soldado de carne e osso e que tem às suas ordens um pelotão de soldados como ele, e Clara fica sem entender de onde veio toda essa magia.

Eis o início de uma grande batalha entre os ratos gigantes e o pelotão do Quebra-Nozes, soldadinhos por todo o lado! Jogando enormes sapatos nos ratos, os soldados vencem a batalha e, com isso, o Rei Rato e seu exército fogem rapidamente.

O bosque então se transforma em uma linda estufa de inverno e o Quebra-Nozes transforma-se num lindo príncipe, que leva Clara até o Reino das Neves, onde a apresenta ao rei e à rainha.

E aí temos o Primeiro Pas de Deux da Rainha das Neves e o Príncipe das Neves.

Tudo isso ainda é o Primeiro Ato, viu? A música, IMPECÁVEL, alterna interlúdios (que acompanham o desenrolar dos acontecimentos) com ritmos de danças (valsas, galopes, marchas, tarantelas) para os números coreográficos das crianças, dos adultos, dos brinquedos mecânicos, dos ratos e das fadas.

Para essa produção, tem vestidos de gala, decorações que se movem e mudam o tempo todo, uma árvore de natal gigante, árvores que parecem de verdade em um bosque, diversos presentes, e o que mais se possa imaginar numa linda festa de Natal.

Nesta “Abertura do Reino” com o Pas de Deux das Neves, temos em seguida os lindos e sincronizadíssimos: Flocos de Neve! Que são Um “Ballet de Repertório” bem tradicional, conhecido pelo corpo de baile perfeitamente ensaiado. As bailarinas estão com um figurino branco lindo, dançando milimetricamente iguais no meio de toda aquela neve que vai caindo no palco. Fico sempre boquiaberta, emocionada, querendo rir, chorar, tudo ao mesmo tempo.

Dessa forma, com a Rainha e o Príncipe das Neves acompanhados de suas daminhas e pajens, seguidos por anjinhos com velinhas lindas que vem de todos os lados (inclusive descem do teto), encerramos o primeiro ato.

Quanta emoção, né? Sou apaixonada por corpos de baile!

Como é um espetáculo grande (quase 3 horas), tem sempre esse intervalinho básico. E voilá! Que comece o Segundo Ato!

Segundo Ato se inicia com um Pas de Deux de Clara e O Quebra Nozes, um interlúdio, com as bailarinas da Valsa das Flores e, ainda, com a participação do Rei Rato novamente.

Ai, essa valsa! A Valsa das Flores também é uma das valsas mais conhecidas do mundo, é contagiante, musica emocionante e coreografia impecável. Essa também é de chorar! Romântica e delicada. As bailarinas com figurinos meio rosados, com cores nos tutus que se misturam com cores de flores, suaves, uma coisa linda.

A partir deste momento, abre-se o Reino dos Doces. Clara e o Quebra-nozes chegam a Confiturembourg, o reino dos doces e confeitos. São acolhidos pela Fada Açucarada, que organiza um espetáculo coreográfico em sua homenagem. Os habitantes da cidade, originários de diversos países, apresentam aos visitantes deliciosas especiarias: o Cacau (Dança espanhola), o Café (Dança árabe) e o Chá (Dança chinesa) – essa parte às vezes sofre adaptações de “sabores” e coreografias, dependendo da companhia.

Após a breve apresentação dos reinos, vem a dança dos confeiteiros, também com a participação de Clara. Não dá pra acreditar em todos esses movimentos com roupa de chefe de cozinha! São grandes saltos, developpés, piruetas e fouettés para quem quiser, isso com colheres enorme e bolos nas mãos. A música neste momento é mais agitada, contagiante! Algumas cias de ballet denominam este momento como “special dance” ou “magical scene“, pois é a abertura oficial do Reino dos Doces.

Logo após isso, entram os Espanhóis, representando o cacau, numa dança intensa e simbólica. Os movimentos fortes, com total influência da dança flamenca. Os figurinos são característicos também, as bailarinas usam castanholas, leques e saias de dança flamenca, enquanto os bailarinos usam lenço de tourada. Geralmente usam sapatos típicos de dança flamenca também, que são aquela mistura de sapatos de sapateado com chorus line, também servindo de instrumento para essa coreografia.

Em seguida, os Chineses, com passos impecavelmente “secos” em toda a coreografia. São interpretados por bailarinos e bailarinas muito bem maquiados e com figurinos perfeitamente orientais, que não há quem diga que não são chineses de verdade, eles até parecem ter olhos puxados mesmo!

E aí, preparem-se para os SALTOS! Lá vem os RussosOs inconfundíveis Cossacos, que apresentam um vigoroso Trepak, uma dança típica russa, cheia de saltos e movimentos fortes. Os bailarinos, todos homens, também super bem caracterizados, saltam muitas, muitas e muitas vezes seguidas, em uma animação sem igual, com direito a palmas e gritos.

Ah, então vem as Flautistas… Que coisa linda! Aquele momento de paz. A bailarinas vem com flautas de sopro nas mãos, representando os instrumentos de sopro infantis, de uma maneira muito doce e limpa, sabe? É um grupo não muito grande de bailarinas, umas 4 ou 6, geralmente com figurinos bem clássicos, e provavelmente você também ficará com essa musiquinha na cabeça, porque é uma delícia! O mais lindo é que parece uma parte despretensiosa, mas que vem recheada com muitas pirouettas e fouettés, a solista das flautistas geralmente surpreende!

Após a delicadeza das Flautistas, vem a dança Árabe, interpretada geralmente por dois ou três casais, mas também é bem adaptável, já vi até solo único de bailarina, sempre muito lindo, ou com mais homens e apenas uma mulher. A coreografia tem uma proposta mais sensual, atraente aos olhos, movimentos com um quê de dança do ventre, você espera que voe um tapete ou suba uma cobra a qualquer momento. Fora que os figurinos são lindos, muito fiéis às roupas das dançarinas árabes.

E enfim, a esperada e grandiosa Valsa das Flores, agora completa! Um corpo de baile dessa vez maior que a primeira aparição, dando aquela impressão linda de palco cheio, florido mesmo, com um jardim. A valsa das flores até dói de ouvir, de tão linda que é. Tchaikovsky e sua criação impecável em cada mínima notinha.

Para “o começo do fim”, vem o Grand Pas de Deux, estrelado pela Fada Açucarada e seu Príncipe, que geralmente são os grandes solistas da Companhia. Sem dúvidas um momento de grandes expectativas. Como de praxe dos grandes Pas de Deux, eles dançam juntos, depois separadamente e para finalizar, dançam juntos novamente. Sempre esperamos um grande show dos bailarinos e esse é o GRANDE MOMENTO. Muitos saltos, piruetas e fouettés para emocionar o público. (Sempre esperamos aqueles 32 fouettés, né?)

Após o Grand Pas vem a valsa final, todos dança. Flocos e Rainha das Neves, Espanhóis, Árabes, Chineses, Russos, Flautas, nessa ordem e, finalmente, entram os solistas principais. Um legítimo Grand Finale! Aquele momento de muitas lágrimas para um fechamento mágico de um passeio em um reino mágico!

De repente, Clara “acorda” e percebe que tudo aquilo não passou de um grande sonho… será?

É lindo, se você ainda não viu, não pode perder! E se você já viu, não pode perder também, pois tem sempre uma novidade aqui e outra ali que torna cada ano mais lindo!

Se você não tem possibilidade de ver em algum teatro grande, seja na sua cidade ou em outra cidade que tenha, não deixe de ver! No YouTube tem grandes espetáculos completos para você assistir! Viva a internet!

Espero que eu tenha sido fiel aos detalhes para alimentar a imaginação de vocês! Assistam e depois contem para a gente o que acharam!

 

Beijos

Laura

 

Deixe uma resposta